Nome científico: Amblyomma cajennense

                 Nome comum: Carrapato-de-cavalo ou carrapato estrela

Aspecto: seu tamanho pode variar de 0,03 a 2 cm, possui coloração castanha, de aparência achatada, os machos apresentam traços mais escuros do que a fêmea, porém só visualizados bem de perto, a fêmea quando ingurgitada (repleta de sangue) podem apresentar coloração variável de marrom a cinza, nesta fase ficam bem grandes com aspecto e tamanho semelhante a um grão de feijão cru.  Na fase larval e ninfa são conhecidos como micuim.

Reprodução: as fêmeas depois de fecundadas e ingurgitadas desprendem-se do hospedeiro, e caem na vegetação do solo, onde cerca de 12 dias depois, inicia-se o período de oviposição. Neste período uma única fêmea ovipõe em torno de 5mil ovos, ao longo de 25 dias, finalizando com sua morte. Após o período de incubação (30 dias em média à temperatura de 25ºC) ocorre a eclosão dos ovos e o nascimento das larvas. As larvas sobem e descem a vegetação, conforme variações ambientais, até o encontro do primeiro hospedeiro, onde realizam o repasto de linfa, sangue e/ou tecidos digeridos, por 3 a 6 dias; em seguida desprendem-se do hospedeiro e buscam abrigo no solo onde, num período de 18 a 26 dias, ocorre à ecdise transformando-se no estágio seguinte, ninfa. As ninfas fixam-se em um novo hospedeiro e durante 5 a 7 dias ingurgitam-se de sangue, encontram abrigo no solo e sofrem nova ecdise após 23 a 25 dias, transformando-se nos carrapatos adultos, que dentro de 7 dias já estão aptos para parasitar novos hospedeiros.

Hábitos: alimentam-se principalmente de sangue, apesar de passarem um período fixado na pele de animais hospedeiros, intercalam com períodos fora dele, como mato, madeiras e plantas.

É o que mais comumente parasita o homem. Mas também parasitam aves, mamíferos domésticos e silvestres.

Nome científico: Rhipicephalus sanguineus

Nome comum: Carrapato-vermelho-do-cão

 

Aspecto: apresenta coloração castanha avermelhada, diferente do carrapato estrela este não apresenta escudo ornamentado, são menos achatados, mas igualmente os machos não ingurgitam ou não aumentam nitidamente de tamanho, somente fêmeas e larvas e ninfas.

 

Reprodução: também apresenta três formas parasitárias dentro de seu ciclo de vida: larva, ninfa e adulto. Cada estágio parasita o hospedeiro por alguns dias (3 a 7 dias para larvas e ninfas, 5 a 10 dias para fêmeas adultas e mais de 15 dias para machos adultos), No final do período parasitário, as larvas e ninfas ingurgitadas se desprendem do hospedeiro para fazer, no ambiente, a ecdise para o próximo estágio evolutivo, sendo ninfas e adultos, respectivamente. As fêmeas ingurgitadas, que foram fertilizadas pelos machos sobre o hospedeiro, se desprendem deste para fazerem a postura de ovos no ambiente. Cada fêmea pode colocar de 1000 a 3000 ovos, que depois de incubados por algumas semanas, darão origem às larvas. Os machos podem fertilizar várias fêmeas neste período. A duração das fases de desenvolvimento em vida livre (ecdise, postura e incubação dos ovos) pode variar de poucas semanas a alguns meses, sendo inversamente proporcional à temperatura ambiente. 

 

Hábitos: também se alimentam principalmente de sangue. Ao sair do hospedeiro ele procura lugares altos, de preferência locais úmidos e sem incidência direta do sol, normalmente perto do ambiente onde os hospedeiros ficam e dormem. São encontrados pelas cercas, em frestas, muros, canil e casa.